Charutos cubanos em Pinar del Río

postado em: Crônicas, Cuba, Todos os posts | 2

Em um velho Lada azul exploramos a região rural de Pinar del Río, passando por campos de tabaco usados na produção dos famosos charutos cubanos, reconhecidos mundialmente por sua excelência.

Pinar del Río é uma simpática cidadezinha no interior de Cuba, próxima à Viñales, à umas 3 horas de Havana, e fica no coração da região onde é produzido o melhor tabaco de Cuba, referência internacional na qualidade de charutos (em Cuba chamados “puros”). Quando se fala em charuto, impossível não pensar em Cuba!

Localizada na parte oeste do país, a região possui paisagem exuberante e solo fértil. As plantações se espalham por todos os lados, e as torres de calcário próximas a Viñales proporcionam um visual interessante.

Fachadas coloridas em Pinar del Río, região famosa pela produção de tabaco para charutos cubanos
Fachadas coloridas em Pinar del Río

Bem-vindos à Pinar del Rio!

Chegamos à rodoviária de Pinar vindos de Havana e logo já fomos abordados pelos insistentes e onipresentes “jineteros”, oportunistas comuns em Cuba, que tentam de todas as maneiras se aproveitar de turistas desavisados, vendendo alguma coisa ou serviço a preços exagerados. Os “produtos” mais comuns são charutos falsificados.

Nos desvencilhamos das hordas de jineteros e fomos a um restaurante local em busca de um bom rango cubano.

Ainda almoçávamos quando fomos abordados por um tal de Alfonso, que não se acanhou em sentar à mesa para oferecer um quarto para alugar (é comum em Cuba o aluguel de quartos por moradores, para que turistas passem a noite, o que complementa a renda familiar). Dispensamos o quarto, mas queríamos saber sobre maneiras de se chegar às “Vegas Robaina”, uma das mais tradicionais fazendas de tabaco de Cuba.

Alfonso disse que tinha um amigo que poderia nos levar lá por 20 CUC. Aliás, todos eles têm um amigo, um primo, um tio (ou uma tia) que faz qualquer tipo de serviço por um precinho “camarada”. Negociamos e conseguimos baixar o preço para 15 CUC.

O tal amigo apareceu com seu velho Lada azul, um carro que deve ter sido fabricado na União Soviética na década de 1980. Não era lá essas coisas, mas andava, e isso bastava!

Deliciosa comida tradicional cubana em Piñar del Río!
Deliciosa comida tradicional cubana em Piñar del Río!

As plantações de tabaco de Don Alejandro Robaina

No velho Lada partimos de Piñar del Rio, rumo à zona rural. Alfonso resolveu se juntar a nós, e fomos todos conversamos animadamente pela estrada. O papo envolveu música, história, futebol e até política. Nossos amigos cubanos estavam curiosos sobre as turbulências político-econômicas do Brasil e, em contrapartida, estávamos interessados na história de Cuba e no funcionamento do regime socialista na ilha.

Chegamos à porteira da propriedade de Don Alejandro, e confesso que fiquei desconfiado ao ver a simplicidade do lugar. Nenhuma lojinha de souvenires, de charutos, nem ônibus de turismo. Teriam nos levado ao lugar certo?

Quando vi o grande letreiro “Alejandro Robaina” sobre o portão, fiquei tranquilo.

O portão de entrada da propriedade da família Robaina, famosa pela produção do melhor tabaco para charutos cubanos
O portão de entrada da propriedade da família Robaina

A família Robaina, cujo patriarca foi o influente Don Alejandro Robaina, é uma das mais tradicionais produtoras de tabaco em Cuba (logo, no mundo). As Vegas Robaina (plantações da família Robaina) existem desde 1845, mas só recentemente foram abertas à visitação. Apesar da fama e reconhecimento internacionais, não há ostentação, as instalações são bem simples e a sensação é de que se está visitando a fazenda de um amigo.

Fomos recebidos por uma simpática funcionária, que seria nossa guia. Ela nos explicou sobre a história da família e da produção de tabaco, bem como dos apertos que passaram os produtores durante as reformas aplicadas por Fidel logo após a revolução, em 1959.

A melhor parte da visita foi quando chegamos ao galpão onde as folhas são colocadas para secar (a denominada “cura”). Ali a nossa guia nos explicou todo o processo de produção dos “puros” (charutos cubanos).

Folhas de tabaco em fase de "cura", primeira etapa (após a colheita) para a produção dos charutos cubanos
Folhas de tabaco em fase de “cura”

A produção dos famosos “puros cubanos” é trabalhosa. Somente a etapa inicial, da preparação do solo à colheita das folhas, leva cerca de 9 meses. Daí até a produção do charuto há várias fases: cura, fermentação, classificação e montagem. O processo é 100% artesanal.

(Entenda melhor sobre a arte da produção de charutos)

Assistimos à demonstração de montagem maestralmente executada por Mamino, um funcionário da família que já trabalha ali há mais de 50 anos. Dependendo da parte do pé de tabaco de que foi retirada, a folha confere uma característica ao charuto: intensidade, leveza, sabor ou poder de combustão.

Ao acabar de enrolar o “puro”, Mamino me ofereceu para que o provasse, mas somente após dois dias. Até lá, deveria deixá-lo enrolado em uma folha de jornal para que secasse.

"Mamino" enrolando as folhas de tabaco para confeccionar os deliciosos charutos cubanos
“Mamino” enrolando as folhas de tabaco

Comércio local de charutos

Satisfeitos com a visita, ao passarmos pela porteira da propriedade, um sujeito que morava em uma casa do lado de fora da cerca já veio querendo saber do nosso interesse em comprar charutos, pois, claro, tinha alguns pra vender. Alfonso nos garantiu que eram legítimos, e da melhor qualidade! Podia ficar à vontade para experimentar.

Não resisti, fui conferir.

Fomos convidados a entrar na casa do sujeito, onde ele arrumou algumas cadeiras e espalhou os vários charutos que tinha pra vender sobre uma mesa. Havia Cohibas, Montecristos, e outros, além dos próprios “Robaina”. Eu estava interessado nesses últimos.

Fiquei à vontade e experimentei o charuto que Alfonso tinha acabado de acender. Embora longe de ser um conhecedor de charutos, apreciei o sabor (e a onda) e, com fé em sua legitimidade, comprei vários.

Satisfeitos com a visita, a interação com os moradores locais e a compra dos legítimos “puros cubanos”, voltamos à Pinar del Río no velho Lada azul.

O velho, porém conservado, Lada azul, com o qual exploramos a região mais famosa pela produçao de tabaco usados na confecção de charutos cubanos
O velho, porém conservado, Lada azul

Dicas para a visita às Vegas Robaina

Se tiver disposição para fazer a visita independente, e resistir às turbas de jineteros, não compre tours prontos a partir de Havana, que certamente custarão os olhos da cara. Pegue um ônibus na capital, desça em Pinar del Río e daí contrate um motorista local. Mas certifique-se que ele te levará às Vegas Robaina, e não à uma outra fazenda (esses caras são malandros!).

Volte para Pinar e siga viagem para Viñales em uma “máquina colectiva”, um meio de transporte bem “socialista”. Nada mais é que um desses carros antigos dirigidos pelo próprio proprietário em busca de uns trocados extras. A “máquina” sai quando atinge a lotação máxima (umas 7 pessoas). A viagem custa 1 CUC.

Custos

Ônibus da Viazul de Havana a Pinar del Río: 11 CUC

Transporte Pinar del Río às Vegas Robaina: 15 CUC

Visita à fazenda: 2 CUC

Gorjetas (opcional): 2 CUC

Assista ao vídeo:
Charutos cubanos em Pinar del Río

Curtiu? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

2 Respostas

  1. Esta questão das máquinas é bem louca… você espera um carro qualquer em um lugar que não tem nenhuma demarcação de ponto de ônibus ou transporte, é no meio do nada. Sem um local para te indicar o ponto fica bem difícil de identifica-lo .

  2. facebook-profile-picture

    Sem falar que quando o sujeito fala “máquina”, você fica meio encucado…”será uma Lamborghini cubana (por mais absurdo que isso pareça), ou uma banheira motorizada???”…até descobrir que, na verdade, é um carro normal (para os padrões de Cuba).

Deixe uma resposta