Cidade do Panamá além do Canal

Imagine uma cidade estratégica para o maior império do mundo, localizada em um ponto de escoamento das maiores riquezas produzidas em seu tempo. Agora, imagine essa mesma cidade sendo invadida e completamente destruída por um verdadeiro exército de piratas que, ao mesmo tempo que espalham o caos e o desespero, pilham a cidade e enchem suas bolsas e porões de seus navios com ouro, prata, pedras preciosas e os mais variados tipos de objetos de valor, deixando para trás apenas ruínas do que foi um dia o centro comercial mais importante do continente. cidade do panama

Isso é exatamente o que aconteceu com a Cidade do Panamá no século XVII. Hoje um grande centro, com arranha-céus impressionantes e um céu noturno dominado pelas luzes urbanas, a capital teve um passado turbulento, por onde passaram piratas, mercadores importantes e a mais fina nobreza europeia.

As luzes da cidade do panama, um contraste com o passado turbulento de Panamá Viejo
As luzes da Cidade do Panamá de hoje

Cidade do Panamá: breve história

A Cidade do Panamá foi fundada em 1519, e foi um ponto de enorme relevância estratégica para a Espanha em sua expansão colonialista nas Américas. Na verdade, todo o istmo do Panamá, por ser a faixa de terra mais estreita em todo o continente, foi de crucial relevância para o sucesso da conquista da América do Sul, e uma maldição para o Império Inca, pois foi dali que saiu a expedição do conquistador Francisco Pizarro, que, em 1533 subjugou aquele império.

Assim, o Panamá, muito antes da construção do famoso canal (que se daria somente no início do século XX) já havia funcionado como conduto para as riquezas pilhadas pelos espanhóis  na Améria do Sul.

E, claro, uma região tão estratégica, e com tanta prata e ouro em circulação, atrai não somente mercadores, exploradores e aventureiros, mas também bandidos e gente da pior estirpe em busca de fortuna fácil. E, naquela época, esse papel sanguinário e inescrupuloso era muito bem desempenhado pelos temerosos piratas, que infestavam as águas de todo o Caribe.

Movida pela sede por riquezas e pela aventura, uma confederação de corsários liderada pelo Capitão Henry Morgan tomou e saqueou a Cidade do Panamá no ano de 1671 e, como consequência, um incêndio de proporções catastróficas tomou conta da cidade, que foi então deixada em ruínas.

Poucos anos após o saque, a cidade foi reconstruída a alguns quilômetros a sul, em um ponto que proporcionaria uma defesa mais fácil, caso fosse novamente atacada, e a cidade antiga (na verdade o que sobrou dela) foi usada como fonte de material de construção para a nova cidade, e a primeira ficou então fadada ao esquecimento por séculos.cidade do panama

A “nova” cidade (hoje denominada “Casco Antiguo”, ou “Casco Viejo”) foi construída em uma península 2km a sul, em uma área mais defensável do ponto de vista militar, e constituiu um importante centro, principalmente durante a “febre do ouro” norte americana, quando milhares de viajantes foram em direção à costa oeste dos EUA em busca do precioso metal.

Casco Antiguo, na cidade do panama, para onde a população (o que restou dela) se deslocou após a invasão pirata
Casco Antiguo, na Cidade do Panamá, hoje um bairro charmoso e com vibrante vida noturna

Em um passado mais recente, já no século XX, a contrução do famoso Canal do Panamá trouxe desenvolvimento para o país e o eixo de crescimento da capital mudou novamente, indo para o norte, onde hoje estão os grandes arranha-céus do centro da cidade.

Panamá Viejo

A primeira Cidade do Panamá, aquela atacada pelos piratas, desde então denominada “Panamá, la vieja”, ou simplesmente “Panamá Viejo”, é um sítio de grande interesse histórico. Pouco sobrou da cidade original, mas os anos no esquecimento permitiram boa conservação de algumas das antigas construções, principalmente igrejas e conventos.cidade do panama

A estrutura mais impressionante é a torre de 4 níveis da antiga catedral, que foi recentemente reformada e conta com uma escadaria interna de madeira, pela qual se pode subir e ter uma vista geral da cidade. Não é difícil imaginar piratas sedentos por ouro e sangue, em meio a um incêndio generalizado e pobres coitados habitantes correndo aterrorizados pelas ruas.

A torre da catedral de Panamá Viejo, uma estrutura imponente que resistiu através dos séculos.
A torre da catedral de Panamá Viejo, uma estrutura imponente que resistiu através dos séculos.

Visitando as ruínas de Panamá Viejo

O sítio histórico está  próximo ao centro da moderna Cidade do Panamá, com seus impressionantes arranha-céus e correria do dia a dia. Felizmente, o país reconhece a importância do lugar, e faz um bom trabalho para sua conservação.cidade do panama

A área é totalmente protegida por um alambrado, que margeia a movimentada Av. Cincuentenario. Para entrar no sítio histórico, é preciso passar pelo portão no Centro de Visitantes, onde se pagam US$12, com direito de visitar o interessante museu, que apresenta a história da cidade com murais, uma maquete bem feita e artefatos retirados das ruínas.cidade do panama

Para chegar, tome o Metrobus e desça no “Centro de Visitantes de Panamá Viejo” ( a passagem custa meros US$0.25. De taxi, a tarifa pode variar, peça ao motorista para levá-lo ao Panamá Viejo, não tem erro, mas espere malandragens e valores exagerados (sempre combine o valor antes de entrar no carro!)

Uma visita calma e proveitosa leva cerca de 2 horas.

Os contrastes da Cidade do Panamá: ruínas de Panamá Viejo e os modernos arranha-céus
Os contrastes da Cidade do Panamá: ruínas de Panamá Viejo e os modernos arranha-céus

 

cidade do panama

Curtiu? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

Deixe uma resposta