Confissões de um viajante…

postado em: Crônicas, Todos os posts | 0

 

Há algum tempo não escrevo…

A verdade é que a vida acabou tomando outros rumos…as prioridades foram sendo reavaliadas…também foi crescendo o desânimo com relação à capacidade de conseguir alcançar uma audiência relevante.

Tantos blogs de viagem por aí, tantos sites por ali…a verdade é que desanimei, confesso…

Como também sou uma pessoa que pesquisa muito pela internet sobre viagens, destinos e lugares interessantes, fico impressionado com a quantidade de opções que aparecem em uma busca no Google, quanta informação a gente tem que filtrar, útil e inútil, e, sinceramente, acredito que a maior parte do que aparece pertença à segunda categoria…não queria ser só mais um na multidão, ainda mais na minha ânsia de ter um blog influente, que fosse útil para as pessoas…e até, quem sabe, poder tirar um sustento dele (a gente vive de sonhos, afinal)…enfim, poder viver entregue à minha maior paixão: viajar e viver experiências em lugares interessantes!

…quanta pretensão…

Mas, enfim, as coisas foram tomando outros rumos e as prioridades…constantemente reavaliadas…

Acabei não publicando nada das últimas viagens, que foram sensacionais (afinal, sempre são!). Deixei na mão todos os meus 0 (isso é um zero, mesmo) leitores assíduos, por isso peço desculpas…não compartilhei minhas experiências na Espanha em Guadix, pernoitando em uma caverna de trogloditas, por exemplo, nem em Portugal, perdido em campos de vinhas, aprendendo sobre a arte do vinho, nem no Marrocos, na cidade azul de Chefchaouen, atravessando campos de cannabis nos Baixos Atlas.

Saída da caverna onde dormimos, em Guadix, Espanha.
Saída da caverna onde dormimos, em Guadix, Espanha.

 

Adega em Reguengos de Monsaraz, Portugal
Adega em Reguengos de Monsaraz, Portugal

 

Chefchaouen, a cidade azul, no Marrocos.
Chefchaouen, a cidade azul, no Marrocos.

Também viajei no território nacional…mergulhei nas águas geladas de Arraial do Cabo, caminhei um trecho da fascinante Estrada Real em Paraty…também fiz trilhas pelas montanhas de Minas com uma turma de amigos, uma galera bacana, bem humorada e companheira!

Maaas…voltando às reflexões…

Na verdade, acho que sou um eterno inquieto…sempre procurando o melhor…buscando alternativas para estar cada vez mais em contato comigo mesmo e com o mundo que me cerca. Não me contento com receitas prontas, recomendações de cartilha sobre como devemos viver nossas vidas…e disso por aí tem demais…imposições sociais, profissionais, sazonais, laboratoriais, comportamentais…chega uma hora que enche o saco! De repente a gente tem que romper com esse negócio todo e abraçar nossas ideias mais queridas, reavaliar o curso da vida, desligar um pouco o automático, mudar o câmbio para o “manual”.

…É por isso que saio nessa próxima viagem…em busca de algo que não sei ainda, mas definitivamente um “mind reset“…uma reavaliação do curso da vida….talvez funcione e volte mais em sintonia…talvez não…talvez volte mais confuso…mas é preciso tentar…

Se não rompi com a inércia por iniciativa própria, talvez tenha induzido a ruptura…talvez era preciso que fosse assim…

Tailândia, Laos, Vietnã, Camboja, Nepal, Malásia e Indonésia…esse é o plano…4 meses em 7 países totalmente desconhecidos por mim…culturas distintas de tudo aquilo que já tenha visto ao vivo e a cores. Não quero criar espectativas, é preciso ter a mente aberta para tirar o maior proveito das experiências…mesmo sob “ataques” intensos de vendedores e agenciadores locais (como os gineteros em Cuba), ou em meio a multidões barulhentas e inquietas em alguma atração turística (como em Machu Picchu), ou sob tentativa de esquemas e trapaças de locais querendo tirar uma casquinha do viajante ou do turista, mesmo um pobre mochileiro com orçamento limitado (sempre vou citar Cuba como exemplo nesse assunto)…e já vi muito disso…

…talvez tenha que modificar a linha editorial (importante né? Hehehe)…ser mais autêntico…sem pretensões, sem esperar que alguém de fato leia isso algum dia…mas já agradecendo a quem tenha se dado ao trabalho…assim, caros leitores, já peço compreensão se de agora pra frente fique meio “atropelado” com a linha de raciocínio…mas se for útil, fico satisfeito…se gostou, deixe um recado…se não, também…se bater dúvida, entre em contato…

Grande abraço!

Gabriel

Curtiu? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

Deixe uma resposta