O Círculo de Ouro da Islândia

postado em: Islândia, Todos os posts | 0

A Islândia é um país incrivelmente politizado e pacífico, que, inclusive, não possui exército, e onde a substituição do paganismo politeísta pelo Cristianismo foi feito por decisão parlamentar em Thingvellir por volta do ano 1.000 d.C., sem derramamento de sangue! (Esses caras teriam muito a ensinar aos Cruzados da Europa medieval e aos jihadistas modernos!)

Bandeira islandesa sob o céu nublado em Thingvellir
Bandeira islandesa sob o céu nublado em Thingvellir

O Círculo de Ouro da Islândia é, sem dúvida, o programa mais popular para quem vai àquele país. Fica a 50 km da capital, Reykjavik, e pode ser feito tranquilamente em um único dia, podendo ser alcançado de três maneiras: um tour pago, um carro alugado ou de carona! É! De carona, que é uma ótima opção para quem quer fazer uma viagem de baixo orçamento por esse país incrível, porém de preços estratosféricos.

Esse passeio é constituído basicamente por três pontos de maior interesse: o Thingvellir, orgulho nacional Islandês; os gêiseres Geysir e Strokkur; e a impressionante cachoeira Gullfoss.

O Thingvellir é uma das muitas jóias nacionais da Islândia. É tido como o primeiro parlamento do mundo, tendo sido estabelecido no século 10 d.C. Fica no coração do rift valey da Islândia, criado pelo movimento divergente entre as placas tectônicas Eurasiana e Norte Americana. Nesse lugar, cujo nome significa “Planícies do Parlamento”, uma assembléia anual se reuniu entre 930 e 1798 d.C. para discutir (pacificamente) problemas de ordem política e social. Em uma das fissuras do “rift valley”, chamada Silfra, os visitantes podem mergulhar com snorkel ou com cilindro, para apreciar as profundezas dessa incrível maravilha geológica.

Uma das fissuras causadas pelo movimento das placas tectônicas em Thingvellir
Uma das fissuras causadas pelo movimento das placas tectônicas em Thingvellir

Ali descobri que os totens (“cairns”) na Islândia são monumentos históricos, construídos desde os tempos da colonização viking para guiar viajantes, principalmente em mal tempo, quando era difícil orientar-se em meio à chuva e à neblina. É estritamente proibido adicionar ou tirar pedras dos totens islandeses!

Totem em Thingvelir
Totem em Thingvellir

A cerca de 60km a leste de Thingvellir estão os gêiseres Geysir e Strokkur, em uma área geotermicamente ativa, com muitas fumarolas, poços de lama fervente e “hotsprings” de cores impressionantes, que variam de tonalidades avermelhadas a turquesa, dependendo dos minerais presentes na água. O Geysir, que deu origem ao próprio termo “gêiser”, já foi extremamente ativo, mas hoje muito raramente jorra água. Porém, para a sorte dos visitantes, logo ao lado existe um “gêiser irmão”, o Strokkur, que jorra água fervente a cerca de 20m a cada 5 minutos! O cheiro forte de enxofre se faz presente em toda a área.

Uma das caldeiras de águas coloridas na região dos gêiseres.
Uma das caldeiras de águas coloridas na região dos gêiseres.

Seguindo pela rota do “Golden Circle”, a cerca de 8km a nordeste do Geysir está a imponente cachoeira Gullfoss, cujo nome significa “Cachoeira Dourada”. Essa beleza natural já foi ameaçada por interesses de um investidor britânico em construir uma hidrelétrica no principio do século 20. Graças aos esforços de Sigriður Tómasdóttir, filha do fazendeiro proprietário da área, a cachoeira foi salva.

A cachoeira Gullfoss
A cachoeira Gullfoss

 

Curtiu? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

Deixe uma resposta