Paraquedas em Playa del Carmen!

postado em: Crônicas, México, Todos os posts | 2

Chegar ao escritório da agência Skydive Playa, e assinar o termo de responsabilidade foi, na verdade, a parte mais difícil da empreitada, sem falar na cara de poucos amigos do sujeito que me recebeu (pouco depois descobriria que se tratava do piloto).Paraquedas

Poucos dias atrás havia chegado de Cozumel, onde tinha passado uma semana megulhando tranquilamente nos recifes espetaculares da ilha. E agora estava ali, prestes a realizar outra das atividades do topo da minha lista. Mas antes tinha que enfrentar um desafio especialmente complicado: um pedaço de papel nada amigável, que pedia meu autógrafo, sem o qual seria impossível saltar de paraquedas.

Tratava-se de um termo de responsabilidade que, quando assinado, servia para liberar a agência, o piloto, o instrutor, o aeroporto, as autoridades aeroportuárias, ou qualquer outra entidade ou pessoa física, de qualquer tipo de responsabilidade, caso algo desse errado, mesmo que por negligência da agência, do piloto, do instrutor, aeroporto ou autoridades que eu mesmo estava liberando se algo desse errado…ou seja, “leia e assine, daqui pra frente é por sua conta e risco, amigo!Paraquedas

Chegando à conclusão que, se algo desse errado, não sobraria muita coisa de mim para fazer reinvidicações, assinei o negócio.

Às portas do monomotor que nos levou para saltar de paraquedas
Às portas do monomotor que nos levou para saltar

Paraquedas

Na sala, um israelita que mal falava espanhol (ou inglês), e nem tinha muita ideia de quanto custava a brincadeira com o paraquedas, tinha dificuldades para ler o tal documento, e fumava um cigarro atrás do outro. Claro, para assinar um papel que mais parece um atestado de óbito, nem com todos os cigarros do mundo!

Após sermos apresentados aos instrutores que saltariam conosco e as brevísissimas instruções para o salto, uma van nos levou ao pequeno aeroporto de Playa del Carmen. Ao contrário do piloto, os instrutores eram gente fina! O que vem a calhar num momento tenso como é aquele segundos antes de se jogar de um avião em pleno vôo pela primeira vez! paraquedas

Às portas do avião, um pequeno monomotor no qual mal cabíamos os quatro espremidos, os instrutores verificaram cuidadosamente todo o equipamento e logo nos esprememos no espaço restrito atrás do assento do piloto.

Lentamente o avião foi até a outra extremidade da pista, de onde iniciaria o procedimento de decolagem. Em instantes estávamos no ar, subindo aos poucos até os 3000 metros de onde saltaríamos.

Espremidos dentro do pequeno avião de onde saltaríamos de paraquedas!
Espremidos dentro do pequeno avião!

E que vista! À medida que subíamos em espiral, as areias claras de Playa del Carmen e as cores do mar do caribe, uma variação de azuis e verdes entremeados por manchas escuras de recifes de corais, proporcionavam um cenário impressionante. O sol brilhava forte e havia poucas nuvens no céu, o dia era perfeito para fazer o que estávamos ali pra fazer!

Ao subirmos, os instrutores iam informando a altitude…1000m…2000m…3000m…A hora do salto…opa! Sério?!? Car***lho! A hora do salto! Nos posicionamos e, enquanto ajudava meu instrutor a fazer os ajustes finais, me dei conta que ali se foram o israelita e o outro instrutor. Tinha chegado a hora!

Pé direito pra fora, depois o esquerdo….momento difícil!. Quando me dei conta que estava praticamente pendurado embaixo da asa de um avião em pleno vôo, já não estava mais…estava caindo, em queda livre à sei lá quantos quilometros por hora…e vendo aquele mar azul turquesa/verde esmeralda lá embaixo!

Só posso descrever os fatos, a sensação é indescritível!…é como se estivesse descendo do ponto mais alto de todas as montanhas russas do mundo ao mesmo tempo!

Vista de dentro do avião, minutos antes do salto de paraquedas
Vista de dentro do avião, minutos antes do salto

40 segundos depois o paraquedas estava aberto, à cerca de 1500m do chão. Pendurado no céu. Cara…é realmente indescritível!

Mas durou pouco. Logo estávamos no chão, pousando na praia.

Ao nos ver aterrissar, uma mulher veio perguntar como havia sido a experiência, e se valia a pena, porque estava pensando em saltar, mas não havia decidido pois tinha medo. Minha resposta foi rápida: “vá em frente!”. Foi uma das sensações mais incríveis que tive na vida! Recomendo à qualquer um que não tenha problemas de coração! Paraquedas 

 

Curtiu? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

2 Respostas

  1. Clarice DiBacco

    Doido demais!! Deve ser um espetáculo, mas o máximo que vou fazer e o parapente!
    Você deveria divulgar mais esse blog!! Muito legal!

  2. facebook-profile-picture

    Foi um espetáculo mesmo! Uma experiência inigualável!
    Em breve publico um post do parapente!
    Obrigado pelo elogio!

Deixe uma resposta